PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Roberto Avallone

Cenas inusitadas de uma noite palestrina. E o adeus do Cruzeiro

Roberto Avallone

15/05/2014 13h04

Foto: Adriano Vizoni/Folhapress

Foto: Adriano Vizoni/Folhapress

1- Bem, antes de mais nada, uma explicação: resolvidos os problemas, pelo menos parcialmente, volto aqui a batucar no teclado e a conversar com os amigos.

Conto, por exemplo, uma inusitada – e agradável – noite de quarta-feira, onde, a convite do empresário Thomas Lico Martins – o popular Don Licone -, corintianíssimo, (assim como sua esposa, Sandra) fui convidado para testemunhar palmeirenses torcendo contra o poderoso Sampaio Corrêa em seu belo apartamento no Morumbi. E não é que a turma estava tensa, como se pela frente estivesse o Real Madrid?  Lá estavam o Rogério Lugó (da Turma do Amendoim), o olheiro Andrezinho Tessitore, o publicitário e futuro papai Caio Vinicius (meu filho), o advogado Milton D'Andréa, o engenheiro Divo (que dorme quando o Palmeiras joga mal), e o afilhado do Lico, o Sérgio, que torce pelo São Paulo. Cada um com reação diferente, diante do jogo. É curioso. Mas remete ao passado: sem brigas, sem discussão, com direito a zoação, é claro, sempre com boas risadas.

Bem, risadas menos para os palestrinos no primeiro tempo do jogo, um zero a zero assustador. Seria reprise do filme da eliminação para o Asa de Arapiraca, em 2002, em pleno estádio que era Parque Antártica e hoje é Arena inconclusa? Não, não foi: ressurgindo das próprias cinzas, como Fênix, depois de passar sufoco e tendo em Mendieta um herói inesperado, o Palmeiras fez um, dois, três gols (Mendieta, Henrique – seu quarto gol em quatro jogos – e Felipe Menezes) e acabou com o perigo de zebra. Está, pois, classificado.

Ah, a novela do momento… Sim, sim, o novo técnico. Se não é Luxemburgo, supostamente descartado (nunca se sabe), se Dorival Júnior por enquanto foi apenas contatado (não confundir com contratado) e o leque de possibilidades voltou a se abrir para outros nomes, melhor não entrar nessa brincadeira de esconde-esconde ou de palestras de emprego e esperar por informações oficiais. Trata-se de mais uma novela, talvez tipo "O Direito de Nascer", longa e nada moderna.

Por dedução, creio que na verdade não há convicção e nem pressa porque o técnico-interino, Alberto Valentim, está indo muito bem. E que se futebol é momento, no momento mais valeria a pena contratar uns quatro bons jogadores (um lateral-direito, um zagueiro, mais um centroavante, mais um grande meia, caso Valdivia saia mesmo) do que ficar dependendo da varinha mágica de um treinador que talvez nem a tenha. Até que Valentim mostre que não é tudo que parece ser e precise voltar a ser auxiliar por mais um tempinho.

2- E não sobrou mais nenhum clube brasileiro para contar história na Libertadores: ao empatar em casa (1 a 1) com o time do bondoso Papa Francisco – o San Lorenzo – o Cruzeiro deu adeus aos seus sonhos e mostrou que mesmo com seu poderio econômico maior no Continente o futebol brasileiro neste ano não é Rei nem na América do Sul. Quais as razões? Em minha opinião, duas:

 a) Estamos atrasados taticamente até por aqui, quanto mais em relação à Europa;

b) Sei lá qual a razão, mas nossos jogadores não jogam com "o coração na ponta das chuteiras", como fazem outros adversários sul-americanos que ganham muito menos e precisam fazer a vida.

Posso estar errado, é claro. Mas é o que penso.

Sobre o Autor

Sou Roberto Avallone, jornalista esportivo há mais de 45 anos. Primeiro o jornal, depois o rádio; mais tarde a TV. E finalmente, a tal da internet. Troquei a velha Remington - de som marcante e inspirador - pelo mouse e teclado. Seja qual for o meio, seja qual for o ano corrente, lá estarei eu falando sobre minha grande paixão: o futebol. Tem gente que gosta do que faz. Eu faço o que gosto. A diferença parece sutil - mas não é, e faz toda a diferença. Palpitem, opinem, contestem, concordem e discordem neste blog democrático. Não prometo atualizações minuto-a-minuto, nem respostas a todas as perguntas, mas tenham a certeza de que lerei todas elas e darei o meu melhor em matéria de informações, bastidores e memórias. Sejam bem vindos, caros amigos futeblogueiros.

Blog do Roberto Avallone