PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Roberto Avallone

Até quando, Palmeiras? Ganso, com estilo. Cruzeiro, derrota e esperança

Roberto Avallone

08/05/2014 02h03

Foto: Wagner Carmo

Foto: Wagner Carmo

1- Ao que consta, "de cabeça mais fria", como disse  José Carlos Brunoro, está marcada para esta quinta-feira uma  reunião do departamento de futebol do Palmeiras (o presidente Paulo Nobre, o diretor-executivo Brunoro e o gerente Feitosa) para avaliação dos últimos três resultados. Como se sabe, foram três derrotas: Fluminense, Flamengo (de virada) e essa outra virada da noite de quarta-feira para o Sampaio Correia (2 a 1), time da Série B, em São Luís do Maranhão.

Mais uma vez (nada oficial), a tendência é a de queda do técnico Gilson Kleina. Mais uma vez, a tendência pode ficar só nisso mesmo e não em queda: seria precipitado cravar algo até porque embora o time esteja jogando muito mal do final do Campeonato Paulista para cá, o treinador teria dito em São Luís (não ouvi) que "Três jogos não podem colocar 20 meses a perder". E Brunoro disse à Fox Sports, isso eu ouvi, que " Kleina vem fazendo um ótimo trabalho, é provável que fique, nada será decidido de cabeça quente".

Por justiça: nem toda a culpa é do técnico, a direção também não lhe deu os reforços solicitados (reposição para a lateral-direita  e para Henrique) e ainda perdeu Alan Kardec.

E então, sabe-se lá. O que se sabe é que o Palmeiras disputou jogo sonolento no primeiro tempo, fez um gol no segundo (Henrique) e levou virada em três minutos de  jogadores que como bem disse o locutor  não formavam uma dupla sertaneja: Edimar e Edgar. Ao contrário, um saltou no terceiro andar para uma cabeçada mortal, o outro penetrou na defesa do Palmeiras como se fosse o Samuel Eto'ó dos velhos tempos. Que facilidade!

E o jovem goleiro Fábio, com belas defesas, ainda evitou mais uns dois ou três gols do Sampaio! O mar virou sertão, o sertão virou mar…

Sabe-se também que o Palmeiras consegue a façanha de apresentar um time pior na Série A do que  aquele que possuía na Série B (com Henrique, Alan Kardec, Luís Felipe-voltou, mas não joga-, o contestado Márcio Araújo, o extraordinário e agora machucado Fernando Prass…) o que  é no mínimo trilhar um caminho perigoso no ano do Centenário embora também seja um misto de incoerência e de falta de sorte.

Ah, chegou Bernardo, um novo reforço. Lateral-direito?Não ouvi nada. Centroavante titular? Também não.

Junior Lago/UOL

Junior Lago/UOL

2- Com o comando de Paulo Henrique Ganso, o São Paulo venceu o CRB por 3 a 0 e classificou-se para a próxima fase da Copa do Brasil. Talvez o banco de reservas tenha feito bem a Ganso, pois ele entrou em campo com a mesma  disposição que já mostrara diante do Coritiba, quando fez genial lançamento de 30 metros para Ademilson marcar belo gol: contra o CRB- que vencera o tricolor por 2 a 1, em Maceió- Ganso participou dos dois primeiros gols, um marcado por Osvaldo e o outro pelo jovem Lucas Silva. O terceiro quem fez foi Rogério Ceni, de pênalti.

Foto: Maxi Failla

Foto: Maxi Failla

3- Pior do que a derrota  do Cruzeiro para o San Lorenzo, na Argentina, foi o placar: 1 a 0. Magro, é verdade, mas perigoso, pois assim como aconteceu com o Grêmio, os mineiros não fizeram nenhum gol fora de casa, o que os obriga a jogar muito no Mineirão. E o San Lorenzo, o time do Papa Francisco, como mostrou diante do Grêmio, em Porto Alegre, sabe se fechar, tanto que naquela noite só levou um gol no fim do jogo (Dudu, aos 38 minutos do segundo tempo) e classificou-se nas cobranças dos pênaltis, com o goleiro Torrico defendendo dois.

Em todo o caso, no Mineirão "azul", o Cruzeiro- único sobrevivente brasileiro na Libertadores-ainda  pode acontecer.

Sobre o Autor

Sou Roberto Avallone, jornalista esportivo há mais de 45 anos. Primeiro o jornal, depois o rádio; mais tarde a TV. E finalmente, a tal da internet. Troquei a velha Remington - de som marcante e inspirador - pelo mouse e teclado. Seja qual for o meio, seja qual for o ano corrente, lá estarei eu falando sobre minha grande paixão: o futebol. Tem gente que gosta do que faz. Eu faço o que gosto. A diferença parece sutil - mas não é, e faz toda a diferença. Palpitem, opinem, contestem, concordem e discordem neste blog democrático. Não prometo atualizações minuto-a-minuto, nem respostas a todas as perguntas, mas tenham a certeza de que lerei todas elas e darei o meu melhor em matéria de informações, bastidores e memórias. Sejam bem vindos, caros amigos futeblogueiros.

Blog do Roberto Avallone