Blog do Avallone

Corinthians, uma vitória de lavar a alma
Comentários 21

Roberto Avallone

Foto: Fernando Dantas

Melhor para o Corinthians, impossível! Jogou com 10 jogadores todo o segundo tempo (Gabriel, de forma inexplicável foi expulso por uma infração não vista a olho nu e nem com auxílio das câmeras de tevê. Confesso que não entendi), foi dominado territorialmente, era tido como azarão no clássico, mas venceu.

E venceu com um gol de Jô, que entrara havia pouco tempo; venceu com incrível falha de Guerra, que perdeu a bola para Maycon de forma infantil; dai a bola ainda passou por Zé Roberto, antes de chegar para a canhota fatal de Jô.  Sem tempo para reagir, o Palmeiras estava nocauteado.

Pior para o Palmeiras, impossível!

Quanto ao jogo em si, no primeiro tempo as disputas foram violentas. Mas nenhum dos times jogou nada e o 0 a 0 caía muito bem. No segundo tempo, já com o Corinthians com um jogador a menos, o Palmeiras voltou com Guerra no lugar de Raphael Veiga e ensaiou um toque de bola mais imaginativo. E mesmo sem a velocidade necessária, com muita lentidão, o Palmeiras criou até uma ou outra chance de perigo, embora de oportunidade real de gol só uma cabeçada de Keno.

Por sua vez, o Corinthians recuou o time, marcou como se fosse uma decisão de Copa do Mundo e arriscou no contra-ataque: teve êxito, contou com a incrível falha de Guerra, venceu o clássico que neste ano se torna centenário.

De alma lavada.


Palmeiras, goleada e dor. Corinthians, a chance no clássico
Comentários 9

Roberto Avallone

Foto: Fernando Dantas

1- Em sua melhor exibição neste Campeonato Paulista até agora, o Palmeiras goleou o Linense, 4 a 0, em Araraquara. E a festa poderia ter sido completa pelos gols de Willian, Raphael Veiga, Michel Bastos e Lucas Barrios; poderia , eu disse, pois a dor que Moisés sentiu em seu joelho esquerdo foi a dor de todo o Palmeiras, que sabe da importância de seu camisa 10 para o restante da temporada.

Até o momento em que escrevo, não se sabe ainda o que exatamente ocorreu com Moisés. Parece, no entanto, que nada teve de leve- o que complica a situação da equipe, pois, em minha opinião, Moisés é talvez o mais eficiente jogador do elenco, versátil, capaz de em um só jogo, exercer a condição de segundo volante, de meia e ainda de exímio cobrador de laterais.

Às vezes, como na vida, no futebol é preciso ter sorte. E que a sorte esteja ao lado de Moisés.

Quanto ao jogo em si, o Palmeiras dominou o Linense do começo ao fim, com extrema facilidade e aproveitou-se da fome de bola de jogadores que brigam para ser titulares e que, talvez por mera coincidência, fizeram os gols: o '' falso 9″ Willian, a revelação Raphael Veiga, Michel Bastos e o desejo de dar a volta por cima e Lucas Barrios , que finalmente teve uma chance.

Além disso, o Palmeiras contou com a bela performance de Dudu, com a atuação sempre segura de Mina, com a firmeza de Vitor Hugo e Prass. Enfim, teria sido uma tarde para comemorar e aquecer o clássico com o Corinthians, não fosse a contusão de Moisés.

Foto: Divulgação

2- Não acredito em favoritismo em um clássico do porte de Corinthians e Palmeiras. Quantas e quantas vezes, já vi o que está em posição inferior bater o que está à frente…

Ainda mais sendo o clássico disputado no estádio corintiano, a  Arena do Corinthians, que sabe ser o jogo contra o Palmeiras um possível divisor de águas. Já não é mais como antes, mas em outros tempos dizia-se que Palmeiras e Corinthians, Corinthians e Palmeiras é '' jogo que equivale a um Campeonato à parte''.

Por enquanto, os dois rivais estão empatados em pontos(9) no Campeonato. O Corinthians vem de vitória contra o Audax, 1 a 0, em Osasco, partida que disputou burocraticamente e que terminou com o gol de Kazim. No futebol, no entanto, o Corinthians ainda não convenceu e está à espera de Jadson para melhorar a criação em seu meio- campo.

Mas como dizia o personagem do ator Lima Duarte no filme Boleiros, definia mais ou menos assim o clássico: ''só quem está aqui dentro sabe o que é um Corinthians e Palmeiras''.

Na quarta-feira teremos só mais um episódio desse eterno duelo.


Palmeiras: vitória em busca da paz. São Paulo: estalo mágico
Comentários 3

Roberto Avallone

Foto: Marcos Ribolli

1- Mais do que a vitória em si, normal (2 a 0). jogando em casa diante do São Bernardo, o Palmeiras venceu em busca da paz.  Mas já? Sim, já: a derrota para o Ituano trouxe desconfiança e restrições ao técnico Eduardo Baptista, que ouviu no primeiro tempo do jogo, a torcida organizada chamar-lhe a atenção e gritar ! '' Cuca! Cuca!''.

Realmente não deve ser fácil para um jovem técnico como Eduardo assumir uma equipe campeã brasileira e cujo técnico (que saiu porque quis) era idolatrado pelos torcedores. Qualquer deslize pode ser fatal. E no caso do Palmeiras, ainda tem jogadores como Mina, Tchê- Tchê, Moisés (que voltou a jogar agora, diante do São Bernardo), Borja…  ausências que enfraqueceriam qualquer  time. Neste caso, Eduardo não tem culpa e para me definir sobre sua contratação, espero por mais tempo, é lógico. Mesmo achando Cuca um técnico extraordinário.

No jogo diante do São Bernardo, o Palmeiras teve dois tempos totalmente distintos. No primeiro, não teve a contundência necessária e teve de contar com boas defesa de Prass para sair com a igualdade no marcador; no segundo tempo, mais compactado e agressivo, dominou o jogo, fez os gols- Dudu e Jean, de pênalti-, melhorou muito com as entradas de Michel Bastos (ótimo!) e Raphael Veiga. Poderia ter obtido um placar maior.

Assumiu a liderança de seu grupo, o que no momento é muito importante. E talvez tenha encontrado a paz.

Foto: Rubens Chiri

2- Foi como num passe de mágica: de equipe desacreditada, até então sem perspectiva de grandes reforços, goleada pelo Audax (4 a 2), o São Paulo começando pela grande venda de David Neres por 50 milhões de reais, passando pela goleada sobre a Ponte Preta (5 a 2) com Morumbi lotado, foi ganhando corpo- e contratou Lucas Pratto, Jucilei. Aí venceu o Santos na Vila Belmiro (3 a 1), quebrando um tabu de oito anos. Espetacular!

E agora, cheio de razão, é um dos times mais badalados em quaisquer competições que venha a disputar. Uma bela virada essa do tricolor.


Palmeiras: meu Deus! São Paulo: show! Santos: polêmica
Comentários 10

Roberto Avallone

Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

1- A impressão que ficou foi  a de que mesmo se quisesse jogar pior, o Palmeiras não conseguiria. Foi uma noite inigualável para a torcida palestrina essa em que o Palmeiras perdeu para o Ituano, em Itu. por 1 a 0. Foi uma equipe sem força, sem dinâmica ofensiva, sem opções de jogadas, enfim tudo aquilo que não esperava para um campeão brasileiro  ainda reforçado por preciosas peças do mercado.

Ao Ituano, restou lutar, correr- sem ligar para a arte ou preciosismo- e vencer. Com justiça. E o grandalhão Guly nem precisou saltar para  fazer, de caça, Ituano 1 a 0. Completamente livre.

Alguns jogadores do Palmeiras tiveram noite especialmente ruim, desencontrada, como por exemplo o capitão Dudu, que disputou uma das piores partidas de sua carreira. Acontece.

Mas se acontecer repetidas vezes- até agora o Palmeiras não fez uma só grande partida- é caso de se pensar. Tudo bem que o time não está completo, faltando Mina, Moisés, Tchê- Tchê  e o recém – chegado Borja. Esses fazem falta, muita falta. Só que não se justifica atuação tão pífia, mesmo sem eles.

A conferir.

Foto: Sérgio Barzaghi

Foto: Sérgio Barzaghi

2- O São Paulo deu um show- e ainda sem contar com Pratto e Jucilei- dentro e fora de campo: no gramado, goleou a retrancada Ponte Preta, por 5 a  2 (três gols do contestado Gilberto) em exibição irretocável; nas arquibancadas a torcida fez a festa, com mais de 50 mil tricolores que, apesar dos preços mais baixos, proporcionaram renda de mais de 1.300 mil.

Desde o começo, o São Paulo dominou a Ponte Preta, guiado pelo Meaestro Cueva e nem se abalou quando levou o gol de Matheus Jesus. A virada veio em seguida, com um gol de Cueva e outo de Gilberto, que se aproveitou de belo passe de Cueva. No segundo tempo, então, foi uma festa: mais dois gols de Gilberto, um de Thiago Mendes, tanto que Lucca comemorou até meio sem jeito o segundo gol da Ponte, que amenizou a dor da goleada.

Esse São Paulo de Rogério Ceni e Lucas Pratto promete muito.

Foto: Sérgio Barzaghi

Foto: Sérgio Barzaghi

3- Que o gol da vitória do Santos contra o Red Bull foi irregular, não tenho a menor dúvida. Além da polêmica se a bola entrou ou não, existe uma certeza: Kaike impulsionou a bola com o braço direito (falta clara) para o meio do gol.

Mas, a bem da verdade, não foi apenas o Red o prejudicado na partida. Antes, no segundo gol-que dava o empate de 2 a 2- o atacante Nixon estava em posição irregular quando cabeceou para o gol santista.

E então, elas por elas?

No duro, foi um belo jogo, intenso, movimentado, apesar do sol que cobria o Pacaembu. Tanto que o Red Bull acertou por três vezes as traves santistas, em prova que de fácil o jogo não teve nada. Opinião pessoal: Lucas Lima se desdobrou por todo o campo e fez a diferença para o Santos que tem aproveitamento 100 por cento até agora, dois jogos, duas vitórias.


Pratto, Borja, Pottker: goleadores em alta
Comentários 4

Roberto Avallone

Foto: AFP

Foto: AFP

1- No momento em que escrevo, 19h40, Lucas Pratto já era considerado jogador do São Paulo. É bom esclarecer pois no mundo dos negócios e no Mercado da Bola tudo pode mudar , de repente.

Neste caso. não creio que mude. O São Paulo está realizando uma grande contratação, centroavante da Seleção Argentina, capaz de colocar o tricolor em outro patamar- ao lado de Maicom, Rodrigo Caio, Cueva, Cícero, Wellinton Nem-time duro de ser batido. Mesmo não disputando a Libertadores da América.

Prato, aos 28 anos, além de fazer gols sabe jogar- no argentino Velez já foi segundo atacante, formando dupla de área com Zarate- , cultiva a fama de caráter irrepreensível e segue a linha histórica das grandes contratações do São Paulo, sempre que a equipe requer cuidados especiais. Foi assim desde o começo dos anos 40, quando ousou contratar Leônidas da Silva. depois nos anos 50 ao trazer Zizinho ou no final dos anos 60, quando arrebatou, de uma só vez, Gérson- Canhotinha de Ouro- e Toninho Guerreiro.

Em todos o casos, passou de time discutido a campeão.

Agora, não se sabe. Mas vale pela iniciativa.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

2- Repito que até este momento- agora perto das 20 horas-, Borja está praticamente contratado pelo Palmeiras. Alexandre Matos ainda participa da reunião decisiva com dirigentes do Nacional de Medellin. Não deve haver nenhum problema.

Quanto a Miguel Angel Borja, 24 anos, creio que se trata do melhor centroavante para o Palmeiras: veloz, forte, exímio chutador com a perna direita e com a esquerda, disputou uma Libertadores sensacional  com o Nacional, marcando 5 gols nas últimas quatro partidas decisivas, acabando como campeão da sonhada Taça.

Além disso, terá ao seu lado um meia-armador como Guerra, capaz de descobrir espaços para suas arrancadas rumo ao gol.

Belo reforço!

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

3- Ao que tudo indica, Pottker não mais vestirá a camisa do Corinthians no Campeonato Brasileiro. Ao que tudo indica, repito, pois já vi muito time recuar e dar um passo para a frente, mas na sequência, dar dois para a frente. Para a torcida corintiana será uma pena se perder mesmo esse centroavante de 23 anos, forte, canhoto, veloz e do drible fácil.

Por que a Ponte Preta fez jogo tão duro? Existe a informação, não confirmada oficialmente, que a italiana Fiorentina será o destino de Pottker lá para o meio do ano. Ou então a expectativa de surgir uma forte proposta européia ou, então… da China, como está na moda.

Ao Corinthians resta acreditar no já ''rodado'' Jô ou, então, nesse menino alto (1 metro e 95), de canelas finas, artilheiro da Copinha e que promete muito: Carlinhos.

Seja lá como for, a bola está com o centroavante.


Destaques: gol de bicicleta, Gabriel Jesus, a nota do Palmeiras
Comentários 2

Roberto Avallone

Foto: Mauro Horita

Foto: Mauro Horita

1- Ele tem 1 metro e 60, era até chamado de ''Pequeno Gigante''. Pois Hernandez, logo em sua estreia pelo Santos, no Pacaembu, parecia que estava em Barranquilla, onde vivia: à vontade, sem inibição. E foi assim que ele marcou um gol de bicicleta perfeita, o corpo parado no ar por alguns segundos- como fazia o maior executor dessa jogada sensacional, Leônidas da Silva. '' O Diamante Negro'', artilheiro da Copa do Mundo de 1938.

(Segundo a História do futebol, quem inventou essa jogada foi Petronilho de Brito: Leônidas a aperfeiçoou)

O Santos venceu a fraca equipe do Marrocos , 5  a 1. Mas Hernandez, com essa bicicleta ganhou mais: o moral necessário para enfrentar a concorrência do ataque santista.

Foto: AFP

Foto: AFP

2- Ele mesmo gostava de cantar o que a torcida palmeirense criou para ele:'' Glória. Glória Aleluia; glória, glória aleluia. É Gabriel Jesus''. Só que agora de Gabriel atravessou os mares e em uma partida e dez minutos de outra- não precisou mais do que isso- encantou a torcida do Manchester e também a imprensa inglesa.

Já tem até musiquinha para ele, com os torcedores do Manchester City cantando algo parecido com '' Jesus é melhor do que Rooney'' (este, badalado atacante do clube rival da cidade o Manchester United.

E curioso: para esse prestígio todo não foi preciso que Gabriel Jesus marcasse nenhum gol. Ele marcou sim, na primeira partida, mas o árbitro anulou. E na segunda partida, diante do Crystal Palace, fez a assistência do primeiro gol, sofreu a falta que originou o terceiro (cobrada pelo craque Yaya Touré) e ainda teve chance de balanças as redes, ao passar pelo zagueiro , driblar o goleiro…e escorregar na hora do chute, pois chovia muito naquele momento. Com granizo e tudo.

Como será daqui para frente? Ah, Gabriel Jesus terá de provar, provar, cada vez mais. Só que esse início fulminante com certeza irá ajudá-lo a transpor os obstáculos, ele que, desde o sub-17 do Palmeiras, sempre pareceu um predestinado.

Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

3-  O Palmeiras até merecia vencer a Ponte Preta, em seu último teste antas do Campeonato Paulista. Só que ficou no empate de 1 a 1, por ter desperdiçado várias chances de gol e por ter Rafael Marques cometido, no último minuto, um pênalti totalmente desnecessário, o braço aberto dentro da pequena área, com a bola sem oferecer nenhum perigo. O mais importante, no entanto, era avaliar como está o time para estrear no Paulistão. Bem, antes de mais nada, fazem falta jogadores de peso (que estiveram ausentes), como Mina, Moisés e Guerra. Até mesmo Keno, também ausente por contusão, pode abrir o jogo pelos flancos Por enquanto, pelo que se viu neste domingo , creio que Willian deva ser o centroavante por enquanto ficando Barrios (autor do gol) para o segundo tempo. Por enquanto, eu disse, pois acho que será necessária a contratação de um grande centroavante, titular absoluto, capaz de amenizar a perda de Gabriel Jesus.

Para as outras posições, há jogadores bons até de sobra. Os que estão aí darão conta do recado, desde que tenham um centroavante indiscutível.

Ah, a nota do time? Pelo jogo deste domingo, eu daria 6,5. Não é ruim, mas pouco para quem tem tantos sonhos a realizar.

 


A Seleção de Tite no topo do ranking. Copinha: 10 vezes Corinthians
Comentários 6

Roberto Avallone

Foto: Mowa Press

Foto: MowaPress

1-  Além do caráter sentimental e de ajuda financeira aos familiares das vitimas do desastre aéreo que ocorrem com a Chapecoense, o amistoso do Brasil contra a Colômbia serviu para outro fato importante: com a vitória (1 a 0, gol de cabeça de Dudu), a Seleção Brasileira voltou ao primeiro lugar no ranking mundial-o que não acontecia desde   2010.

Mais uma façanha de Tite, o técnico que, até agora, obteve 7 vitórias em 7 jogos. Impressionante!

Quanto o jogo em si, em parte talvez pelo caráter emotivo da disputa, as seleções mais tocaram a bola, sendo que esta ficou mais tempo nos pés dos brasileiros, enquanto a Colômbia foi mais perigosa, mandando bola na trave e, no finzinho, Berrío (pretendido pelo Flamengo), perdendo o gol de empate por mero capricho da bola- que percorreu a linha da meta e saiu para fora.

Não tivemos grandes destaques na partida, sendo que, em minha opinião, Rodrigo Caio foi o melhor do Brasil; Camilo e Diego, quando entraram no jogo, deram mais dinâmica ao meio-campo brasileiro. Pelo lado colombiano, time formado por seis jogadores do Atlético Nacional de Medellin (que só voltam de férias no dia 16 de janeiro)  o que valou mais foi o lado coletivo.Inclusive Borja, badalado nos últimos dias, teve atuação extremamente discreta, longe do brilho esperado.

Foto: Mowa Press

Foto: Mowa Press

Na verdade, foi o confronto de uma seleção desentrosada- a brasileira- contra outra como vários jogadores em começo de pré-temporada. Não dá para exigir muito.

Foto: AGIF

Foto: AGIF

2-  E o Corinthians é o campeão da Copinha. Pela décima-vez! Foi sem a facilidade esperada que o Corinthians bateu o Batatais (2 a 1, gols de Carilhos, Marquinhos e Douglas), pois os gols saíram apenas nos últimos minutos. Justa vitória, no entanto, pois o Corinthians jogou para atacar, enquanto o Batatais dava impressão de pretender levar a decisão para os pênaltis.Seria sua única chance.

Se não foi brilhante no último jogo, o Corinthians o foi, sim, durante a competição, com 100 por cento de aproveitamento. Quanto aos destaques corintianos- os que parecem ter mais futuro no time de cima, fico, em primeiro lugar, com o centroavante Carlinhos, 11 gols marcados e l metro e 95 de altura.Depois, olho em Marquinhos e Pedrinho.

E é de se ressaltar a afinidade do Corinthians com a Copa São Paulo de Futebol Júnior (Copinha), tantas as vezes que dela saiu vitorioso, dez vezes campeão.


Corinthians, meninos fantásticos. Ceni: título. Vitinho: craque?
Comentários 2

Roberto Avallone

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

1- Em futebol não se ganha véspera.Logo, ainda que favorito até pelo peso de sua camisa, o Corinthians enfrentará o Paulista na final da Copinha, exposto ao que der e vier. Mas até agora, a tendência é a de que seja qual for o resultado, os corintianos só podem ter orgulho e muita esperança nesses meninos que esbanjam futebol nessa Copinha, ao ponto de muita gente achar que deveriam ser imediatamente promovidos.

Especialmente, Pedrinho e o centroavante goleador, Carlinhos, jogador espigado,de 1 metro e 95, duro de ser marcado. Pela lógica, o Corinthians ganhará mais uma Copinha- o que não é novidade; novidade é a qualidade maior dessa safra, esse futebol ofensivo, sempre para a frente, mérito atribuído também ao técnico Osmar Loss, que parece apreciar jogo rápido e habilidoso, além da marcação dura já comum a quase todos os outros clubes.

Desta vez, para chegar à final, o Corinthians venceu o Juventus na noite deste domingo. E por 3 a 0.

Creio que vai dar samba.

FOTO: AFP

FOTO: AFP

2- Logo em sua estreia como técnico, Rogério Ceni já foi campeão. Da Florida Cup, é verdade, e sem nenhum futebol de grande brilho, pois em seus dois jogos colheu dois empates de 0 a 0, diante do River Plate e do Corinthians (ah, clássico de rivalidade) não marcando o time nenhum gol no tempo regulamentar dos jogos, mas a ambos vencendo na decisão por pênaltis.

Título à parte, o tricolor já mostrou um futebol mais consistente, especialmente em sua defesa, agora mais recheada e sólida. Quanto ao ataque, até que saíram algumas boas jogadas, mais ficou evidenciada a falta de um centroavante muito bom- que não é o caso do argentino Chavez e nem do já conhecido Gilberto. Dedicados, é verdade, mas longe, digamos de um Calleri.

Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)

Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)

3- Ah, se jogar tudo isso… Refiro-me a Vitinho, 18 anos, autor de um golaço e de belos dribles no empate do Palmeiras com a Chapecoense, 2 a 2. Vitinho foi o melhor em campo. Uma surpresa?

Não para os que acompanham no sub-2o palmeirense, onde, dizem, costumava manter o mesmo padrão em quase todos os jogos.Vitinho foi presença constante nas seleções de base, onde se mostrava hábil e um meia promissor.

Para melhor analisá-lo é preciso ver mais vezes este menino em ação, pois muitos meninos despontam e, sem mais nem por que,depois têm o brilho apagado. Outros, é claro, vão em frente,  aprimoram-se, ganham confiança e tornam-se craques.

Ninguém sabe como será daqui para a frente. Mas é impossível omitir que se jogar como fez contra a Chape, ah, aí estará nascendo um craque.


Os casos Borja, Jadson e Calleri no Mercado da Bola
Comentários 3

Roberto Avallone

Foto: AP

Foto: AP

1-  Recebi  na manhã desta quarta-feira a informação de boa fonte- mas não infalível- de que o Palmeiras estaria comprando uma alta porcentagem dos direitos econômicos e federativos (o popular passe, para ficar mais fácil) do goleador Borja. Por cautela,dei a informação no condicional, sem cravar, aproveitando o que as idas e vindas de tantas negociações  que vi ao longo da carreira: apenas se dá  como certa uma contratação que está sacramentada.

Mas  não é pecado comentar informações vindas de fontes ou especulações.

Na verdade, segundo apurei mais tarde com conselheiros do clube, nada está fechado. O interesse existe sim, por Borja ou Pratto ou ainda uma outra opção, para o lugar de Gabriel Jesus; não, no entanto pelos preços estimados. Pelo colombiano  (convocado pela seleção para o amistoso contra o Brasil), por exemplo, falou-se em quantia de 15 ou 20 milhões de euros, o que daria, facilitando a conta, estimando o euro em quase quatro reais, preço astronômico para os padrões do futebol brasileiro: ''O Palmeiras não desistiu, mas não se mexeu mais e nem houve avanço nas negociações. Acho que se houver novidade será lá para fevereiro''.

Não por coincidência quando já estiver fechada a janela de inverno do futebol europeu e estará se encaminhando para o final a agora mais temível janela da China. Antes disso, creio,não deverá ser fechada nenhuma negociação.

E, pelo estilo até agora exibido, se houver transação será encaminhada sob sigilo, só havendo anúncio oficial quando tudo estiver consumado,

Assim, por enquanto, fica naquele interesse secreto. Que pode esquentar ou esfriar.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

2- Jadson, pelo andar da carruagem, não é nome certo no  Corinthians. Há concorrência, ouvi uma entrevista do empresário do jogador, que não cita o nome de nenhum clube, mas diz que assim como o jogador se esforçou para retornar da China e abriu mão de boa grana, o eventual  comprador deve se esforçar para oferecer a compensação ao meia.

Não falou em detalhes financeiros. E não sei quanto sairia a conta. Analisando, tecnicamente,

impossível esquecer as boas atuações de Jadson pelo Corinthians em 2015, quando ele se recuperou de um período de destaque menor no São Paulo, quando foi trocado por Pato. Aos 33 anos, no entanto, Jadson entra na ciranda do Mercado da Bola não sendo possível cravar em qual clube jogará em seu retorno ao Brasil.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

3- Calleri foi muito bem no Boca em seu começo de carreira. Tanto que foi comprado- é o que se diz- por um grupo econômica por quantia que beirava os 40 milhões de reais. O seu destino parecia ser a Inter de Milão. Parecia. Ele veio emprestado para o São Paulo e em muitos jogos- em especial os da Libertadores- foi uma sensação.

Foi breve o seu período no tricolor e Calleri seguiu o que estava previsto, indo para a Europa. Não sei se foi para o time certo, o inglês West Ham, onde até agora pouco jogou e pouco impressionou a quem escala o time.

Resultado: o São Paulo manifestou interesse em sua volta, a torcida sempre se empolga quando se fala em Calleri, mas tudo indica que ele irá para o futebol espanhol. Como competir, em termos de grana, com os europeus? E já se fala em Nilmar a despertar o interesse tricolor. Como ele estará hoje?

E Calleri deixa no torcedor do São Paulo aquela lembrança do impetuoso artilheiro que ficou por tão pouco tempo.


O Corinthians e Drogba, a lenda dos gols
Comentários 4

Roberto Avallone

Foto: AP

Foto: AP

É bem provável que até este domingo, Didier Drogba seja o novo reforço do Corinthians. Ao longo da carreira, este marfinense não foi apenas um jogador, um centroavante; foi também um dos maiores atacantes do mundo, uma lenda dos gols, de força fisica, de habilidade, exímio cobrador de faltas. Com 1 metro e 88, também cabeceava como poucos.

Na seleção de seu País, a Costa do Marfim, disputou 105 jogos, marcou 65 gols.

Um atacante completo, pois não?

Mas até quando? Pesquisando sua carreira, mais ou menos até três anos atrás quando, ao contrário de sua primeira passagem- de 2004  a  2012- no Chelsea, teve melancólica segunda vez no gigante inglês, como o anúncio do fim do mito. Ainda foi jogar no Montreal Impact- clube canadense- e foi razoavelmente bem (chegou a fazer três gols em um só jogo, mas sem a devida sequência) embora longe do brilho de antes e sem ganhar título.

Por quê?  Talvez pela idade já avançada para um centroavante- tem 38 anos, completará 39 agora em março-, talvez por não ter se encaixado bem nos últimos times. Sabe-se lá. Confesso que não tenho a resposta, pois muitas coisas no futebol acontecem sem a devida explicação. Futebol não é uma ciência exata.

Também não me arrisco a dizer como será Drogba no Corinthians. Pode ser que dê certo, pode ser que seja um jogador para jogar, digamos, meio tempo. É preciso vê-lo de perto, acompanhar seus passos atuais, sua forma física, seu estágio técnico, essas coisas todas.

Mas de uma coisa, creio, há de se ter certeza: esteja como estiver, a vinda de Drogba será uma grande atração! Ainda mais para a torcida corintiana, carente de um ídolo- ou de uma esperança- depois dos vários desmanches sofridos pelo time campeão brasileiro de 2015.

O que o amigo acha?