Blog do Avallone

O São Paulo chegou, vencendo até as traves. E o Palmeiras…
Comentários 19

Roberto Avallone

Foto: Marcos Ribolli

Foto: Marcos Ribolli

1- Esperava-se uma goleada do São Paulo contra o peruano César Vallejo. Este blogueiro também aguardava por isso. Mas chutando três vezes nas traves inimigas- inclusive no pênalti desperdiçado por Michel Bastos- o tricolor viveu uma noite tensa, que só terminou com gol de Rogério aos 42 minutos do segundo tempo e conseguiu sua classificação para a fase de grupo da Libertadores de maneira muito mais sofrida do que poderia ter sido.

De qualquer jeito, chegou lá.

Até a sensação Calleri não estufou as redes, ficando com um chute no travessão, o que leva à seguinte reflexão: tirando o Barcelona com seu trio mortal- Messi, Suárez, Neymar- e alguns poucos outros times europeus, não está no geral o futebol tão nivelado e carente de craques fora-de-série que qualquer resultado é hoje possível no futebol? Ora, no papel, o São Paulo é muitas vezes superior ao César Vallejo- time que pela primeira vez disputa uma Libertadores (ainda que na fase de Pré) e tem apenas 20 anos de fundação- como pode, então, mesmo com as bolas nas traves, vencer apenas no fim e por um gol solitário?

Seja lá como for, o São Paulo teve o alívio da classificação.

Foto: Cesar Greco / Divulgação

Foto: Cesar Greco / Divulgação

2- Não bastasse aquela pífia atuação contra o São Bento, semana passada, no Pacaeembu, o Palmeiras teve outra medíocre atuação diante do Oeste, em Rio Preto.  Ah, em Rio Preto? Pois o estádio parecia uma casa palestrina, tantos eram os palmeirenses por ali presentes, o que tornava o Palmeiras o verdadeiro local e Oeste, simples visitante.

Sem desculpas, então. Pois o que se viu dentro de campo foi a equipe de Marcelo Oliveira desajustada, sem padrão tático sem eficiência (péssima a noite de Lucas Barrios e Gabriel Jesus), limitando-se o time a uma cabeçada no travessão (de Roger Carvaho, acredite), deixando com que o Oeste fosse o mais finalizador (18 arremates) e fazendo do goleiro Fernando Prass o melhor jogador.

Se jogar essa bolinha, o Palmeiras terá sérias dificuldades na Libertadores. No entanto, acredito que a equipe possa melhorar, pois é impossível que Lucas Barrios (dizem que está sendo pretendido pelo futebol chinês) volte a se apresentar com essa mesma lentidão da noite de quarta-feira; ou que Gabreiel Jesus, às vezes excelente e em outras mais parecendo um principiante, dê aqueles chutes fraquinhos, como se estivesse jogando sinuca e o taco espirrasse.

Se continuarem assim, que se dê oportunidade a Rafael Maraques, a Erik ou até a Moisés ou Regis, sei lá. Mas Marcelo Oliveira que se toque: Leandro Almeia não é o único candidto a Titanic esta equipe cara, neste elenco de 39 jogadores.

Meu Deus!


Calleri, o nome do gol
Comentários 19

Roberto Avallone

Foto: Lance

Foto: Lance

Impressiona o senso de oportunismo e a mobilidade dentro da área desse argentino de 22 anos, Jonathan Calleri. Ele mudou a cara do ataque do São Paulo. Falava-se muito dele no Boca Juniors, é verdade, mas acompanhá-lo de perto torna a simples sensação em realidade mortal- para os adversários, é claro.

Foram suficentes um jogo e meio- contra o Cedar Vallejo, quando fez gol por cobertura, e diante do Ãgua Santa, quando, de cabeça, por duas vezes, enfiou a bola nas redes. Simples assim. O efeito disso é que até o fim da tarde desta segunda-feira, o São Paulo já tinha vendido 25 mil ingressos para o jogo decisivo contra o Cesar Vallejo, o que sugere que o Pacambu estará lotado nesta quarta-feira.

Quantos gols fará Jonathan Calleri? Sei lá. Mas a perspectiva é de que ele faça alguns. Para os mais jovens- e também para o mais velhos, que podem concordar ou não- Calleri lembra um pouco o estilo de outro argentino (sendo ainda rápido) e que veio ao Brasil já aos 28 anos,  mas precisou de uma única temporada para torner-se ídolo do Palmeiras e depois ir embora: Artime, Luizito Artime, goleador implacável.

Por ter vindo bem mais jóvem, já contratado pela Inter de Milão, Calleri pode precisar de apenas seis meses para se tornar ídolo como seu antecessor argentino. Não me parece jogador que volte até o meio-campo para sair a distribuirt passes e dribles, mas perto da área- e especialmente dentro dela- Calleri é o melhor eforço do tricolor nos últimos anos.

Ele brinca de fazer gols, embora lute pela bola como um guerreiro espartano. Tacada de mestre do São Paulo!


O Corinthians ganhou outra. E o Palmeiras escapou de um vexame
Comentários 22

Roberto Avallone

Foto: Sergio Barzaghi

Foto: Sergio Barzaghi

1- Jogando para o gasto, o suficiente para vencer o Audax  Osasco, bem ou mal o Corinthians conseguiu sua segunda vitória no Campeonato Paulista, 1 a 0, gol de Uendel, após assistência de Rodriguinho. Normalmente, não seria muito, mas acaba sendo de bom tamaho para uma equipe que acabou de perder 6 titulares e vem de fase pós-desmanche.

No primeiro tempo, o Corinthians não levou nenhum susto e jogou melhor. Também esse negócio de tiki-taka é coisa mais o Barcelona, recheado de craques, não é exatamente para o Audax, cuja limitação técnica torna o jogo repetitivo, chato e sem explosão no ataque. Como fazer gol?

Já no segundo tempo, talvez por uma questão de começo de temporada, o Corinthians diminuiu o ritmo, o Audax conseguiu realizar algumas jogadas, mas nada que causasse alvoroço ou colocasse em perigo o novo triunfo corintiano. Nesta etapa, dois jogadores recém-contratados estiveram em campo, o volante Willians e o hábil Guilherme – estreias, se é que podemos chamar de estreias, não mais do que discretas.

Resumo da ópera: até agora, Corinthians 100 por cento de aproveitamento.

Foto: Fernando Dantas

Foto: Fernando Dantas

2- O Palmeiras escapou do vexame de perder para o São Bento, só no finzinho. Aos 46 minutos do segundo tempo, Vitor Hugo saltou em direção a bola enviada por Robinho em cobrança de escanteio – mas ele mesmo disse que o gol não foi dele, e sim “do cara que estava me marcando, pois a bola desviou nele''- no caso, o cara é o zagueiro João Paulo.

Foi uma noite estranha, curiosa. Mas, antes disso, com todo o respeito, é preciso falar do show de horrores, da pavorosa atuação de Leandro Almeida, zagueiro que vinha de atuações seguras e que, nesta noite de quinta-feira, exagerou nos erros. A ele sou obrigado a dar nota 0. E com louvor! Leandro errou no segundo gol do São Bento, ao dar um balãozinho no corpo de Moraes e dele levar um drible desconcertante em espaço de milímetros; errou ao '' furar'' uma bola que estava dominada; e errou também ao perder a cabeça, entrando com as travas da chuteira em atacante, levando o cartão amarelo que poderia muito bem ter sido vermelho.

Umas das piores atuações individuais que testemunhei nos últimos anos.

Quanto à noite estranha, é o seguinte: o Palmeiras começou bem a partida, com Dudu e Lucas Barrios acesos e Gabriel Jesus como em seus melhores dias, marcando inclusive o gol que quebrou seu jejum de 12 partidas sem balanças as redes. Tudo indicava que seria goleada. De repente, o Palmeiras “murchou'', o São Bento passou a mandar na partida, fez três gols – os dois que valeram e outro, de Éder, mal anulado. Um caso de transformação, o São Bento virando Palmeiras, o Palmeiras virando o São Bento.

No segundo tempo, o Palmeiras melhorou, o São Bento recuou e aconteceu o empate já nos acréscimos – o que , pelo menos, impede o vexame, embora não tire a certeza de que a equipe terá de melhorar muito para a Libertadores. Tem elenco para isso.

Ah, a estreia de Jean? Discreta, bem discreta, ao ponto da torcida sentir saudades de Arouca.


Calleri salvou o São Paulo. E as estreias da noite
Comentários 2

Roberto Avallone

Foto: AP

Foto: AP

1- Jonathan Calleri, ex- ídolo do Boca, 22 anos, só entrou no segundo tempo. Mas já mostrou o que pode ser nos próximos seis meses no São Paulo e livrou o tricolor- com um belo gol por cobertura- de uma injusta derrota. Injusta, pois o São Paulo jogou melhor do que o inexperienteCésar Vallejo (fundado há apenas 20 anos), teve um gol não observado (Alan Kardec, de cabeça) pela arbitragem e sofreu um gol impossível um golaço é verdade, mas através de um chute que o autor, Hohberg, talvez nunca irá acertar outro igual. Resumo da ópera: empate de 1 a 1, com gols belíssimos.

O São Paulo merecia vencer, repito, o que não será missão difícil na próxima semana , no Pacaembu. Mas já obteve uma grande vitória: a providencial aquisição de Calleri, ainda que por seis meses, um centroavante rápido e bom finalizador, já negociado com a Inter de Milão, que não pode aproveitá-lo agora por estar com a cota de estrangeiros esgotadas. Calleri tem boa estatura, embora não seja grandalhão, mas tem estilo rápido- lembra um pouco o Nilmar dos bons tempos- e um jeito todo especial de arematar, com muitos gols anotados por cobertura- um deles, famoso, por ter sido de cobertura e de letra.

É a melhor aquisição do tricolor nos últimos anos.

Foto: Ivan Storti

Foto: Ivan Storti

2- Pelo Campeonato Paulista, onde o Santos redimiu-se da má estreia ao bater a Ponte Preta, em Campinas, por 2 a 0 (gols de Ricardo Oliveira e Gabigol), Palmeiras e Corinthians podem ter estreias nesta noite de quinta-feira. Diante do São Bento, no Pacaembu, o Palmeiras tem praticamente confirmada a estreia de Jean (ex- Fluminense e Seleção Brasileira) em seu meio-campo, alimentando o atsque de Dudu, Gabriel Jesus e Lucas Barrios- este, atuando pela primeira vez no Paulistão.

Já o Corinthians, em fase de completa reformulação, tem relacionados o volante Willians e o meia-atacante Guilherme, recém- contratados.Ao que consta, não estão oficialmente escalados, mas mesmo que não comecem jogando contra o Audax, poderão entrar no decorrer da partida, saciando a curiosidade do torcedor. Especialmente Guilherme que, se estiver fisicamente bem, é jogador de categoria, com seus dribles, seus passes e seus chutes.


Na estreia do Paulistão, o Palmeiras foi o melhor dos grandes
Comentários 30

Roberto Avallone

Foto: Cesar Greco / Fotoarena

Foto: Cesar Greco / Fotoarena

Na rodada inaugural do Campeonato Paulista, nenhum grande brilhou intensamente. Mas entre os quatro maiores, o Palmeiras foi o mais destacado, ao vencer o Botafogo em Ribeirão Preto (2 a 0), o que não costuma ser tarefa fácil; outro grande venceu, o Corinthians, mas teve vitória suada, sofrida, com o gol de Romero marcado aos 46 minutos do segundo tempo contra o valente XV de Piracicaba. Dificuldade corintiana compreensível, pois a equipe vive fase pós-desmanche e de reformulação.

Os outros dois grandes, Santos e São Paulo, não foram além do empate. E ambos empataram pelo mesmo placar, 1 a 1, o Santos , na Vila, com o São Bernardo, e o São Paulo, em Campinas, com o Red Bull Brasil. Essas duas partidas aconteceram no sábado e não tiveram brilho algum: o Santos totalmente diferente daquele time ousado do ano passado, já sem Marquinhos  Gabriel e Geuvânio, embora com Paulinho (ex- Flamengo), que mostrou pouca coisa, quase nada; em minha opinião, o melhor foi Lucas Lima, sempre dedicado e autor da jogada pela esqquerda, que deu no gol de cabeça de Gabigol. Quanto ao jogo do São Paulo, digamos que ligeiramente superior ao futebol do Santos, um gol de cabeça de Paulo Henrique Ganso (cena rara) e outro de pênalti de Roger (ex-tricolor) fizeram o placar.

Voltando às estreias do domingo, é justo começar pelo Palmeiras, que tinha a parada mais dura, mas que com um bom segundo tempo (o primeiro não foi lá essas coisas) bateu o Bota com sobras por dois belos gols. Em minha opinião, Dudu foi o melhor do time, por seus dribles, por sua velocidade, por voar atrás do passe de Robinho para marcar o segundo gol do jogo. Mas campeão da curiosidade foi Alecsandro: estava sendo vaiado pela torcida, que pedia Cristaldo, quando acertou potente cabeçada-depois de centro de Lucas-, em gol que fez Marcelo Oliveira mudar de ideia (o treinador iria colocar Cristaldo em campo), ficando Alecsandro em campo, com o respeito que parecia já não ter. Futebol é assim:'' da fossa à euforia, há apenas um milímetro de distância'' costumava escrever o grande Nélson Rodrigues.

Já o Corinthians, que se mostrou equipe mediana no pós desmanche- e sem ainda contar com os novos reforços como Giovanni Augusto, André, Willians e mais os que possam vir-, não passou nenhum grande susto diante do XV de Piracicaba, perdeu um pênalti ( Rodriguinho) e viu o adversário ter gol anulado. Justamente. Tudo bem, mas creio ter visto lance similar no gol marcado pelo Corinthians, pois Romero estava em posição de impedimento, quando Elias dividiu a bola com o goleiro. Atrás da linha da bola, é verdade. Assim como estava em posição de impedimento e igualmente atrás da linha da bola o jogador do XV que cabeceu para as redes.

Uma questão de interpretação? Creio, então, mesmo vendo o jogo pela tevê, que os dois gols deveriaram se anulados ou validados, mas não vou ficar discutindo com a opinião de especialistas, relato aqui a minha impressão e o que pensei dos lances, com o sagrado direito à opinião, embora vários torcedores pareçam se sentir ofendidos quando essa opinião é contrária a deles e não vá de encontro aos sonhos por seu time.

Faz parte.


Palmeiras, agora a boa vida de milionário…
Comentários 31

Roberto Avallone

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Depois de passar algum tempo de penúria, rebaixado para a Série B e compouco dinheiro em caixa, eis que o Palmeiras reage,ganha título (Copa do Brasil), é o segundo no ranking de sócios- torcedores (cerca de 126 mil), mexe com a torcida e agora consuma o que está sendo considerado o maior patrocinio de todos os tempos em termos de Brasil: os patrocinadores (Crefisa e FAM, dos mesmos donos) pagarão 66 milhões de reais(!) para estamparem seus produtos no uniforme palmeirense, desde a camisa até o meião, passando pelo calção.

Meu Deus! Parece obra de San Gennaro ou de Nossa Senhora Achiropita, mudar assim, em tão pouco tempo, voltando aos tempos em que tinha uma situação sólida, com picos maiores na Era Parmalat, podendo ampliar seu poderio econômico nesta nova Era.Mas , torcedores palestrinos, embora eufóricos clamam pela chamada “cereja do bolo'', como diz o apaixonado André Tessitore:'' Agora, o Palmeiras poderia trazer um meia-esquerda que resolvesse. O Palmeiras sempre foi grande quando teve um''10″acima da méida''.

Tessitore reconhece que o elenco palestrino é muito bom, farto, mas sente falta do Maestro no meio-campo. Maestro que já foi Valdivia (quando podia jogar) , Djalminha. Alex, Mestre Ademir da Guia, Chinesinho, Jair Rosa Pinto (ídolo do meu pai)- nomes que marcar época com grandesd atuações e memoráveis conquistas.

Mas há,  no mercado, um nome capaz de resolver o problema? Sem contar Cleiton Xavier, mais uma vez machucado, que ainda é esperança de alguns, revirando o Mercado pode-se encontrar um Lucas Lima (que o Santos não vende para time brasileiro), um inviável Conca (recebe em torno de 2 milhões de reais na China)- e quem mais? Talvez Thiago Neves, que está no mundo árabe e que se jogasse como fazia no Fluminense(depois de passar por rigoroso exame médico para tirar qualquer dúvida) , estaria de bom tamanho, pois é até muito bom nas bolas paradas.

A missão, no entanto não é fácil. Mas é possível descobrir um “10'' garimpando os talentos possíveis.  Afinal, o que há de bom nessa notícia do patrocínio para o torcedor é, além de resgatar seu orgulho, o direito de poder sonhar com um time ideal.

Coisa de milionário, póis não?


E chegam os Estaduais: quais são seus favoritos?
Comentários 3

Roberto Avallone

Talvez sem o glamour de outros tempos, quando o começo mais parecia um festival de Hollyood, com direito a Torneio Inicio, album de figurinhas bombando e tudo o mais. Os tempos mudaram.

Mesmo assim, o torcedor gosta e, nos clássicos, quem há de deixar para lá os duelos dos seus times? E então vamos aos Estaduais, destacando, em princípio, os quatro maiores centros futebolísticos do Brasil: o Campeonato Paulista, o carioca, o mineiro e o gaúcho. O amigo, se quiser,  pode ir preparando os seus palpites, enquanto fico aqui com as análises que sempre se comprovam nos campos:

1- Campeonato Paulista: logo de cara, na teoria, o Santos deveria continuar frequentando as finais, pois não estará envolvido, com o seus rivais Corinthians, Palmeiras e São Paulo, coma Libertadores. Mas não sei se esse será um fator decisivo, pois o Palmeiras está com elenco recheado, o que lhe permitirá, de vez em quando, um saudável rodizio de jogadores. Nesta quinta-feira, por exemplo, os reservas palmeirenses golearam os titulares por 4 a 1, o que levo como sinal de força de elenco e que já estão no time não poderão se acomodar.

O São Paulo, quietinho, deve ser melhor com Bauza do que foi com Osorio, começando o técnico argentino por cuidar de sua defesa, agora reforçada por Lugano, 35 anos, que talvez surja como terceiro zagueiro, por não ter mais a mesma mobilidade. Do meio-campo para a frente, com Hudson (Wesley está na reserva), Thiago Mendes, Ganso, Michel Bastos, Kiez e Calleri- especialmente Calleri- o tricolor, suponho, será time de respeito.

A grande incógnita, por enquanto, é o Corinthians pós desmanche. Tem alguns jogadores novos, é verdade, como, por exemplo, Marlone e juniores promovidos, mas deve contratar em breve outros mais renomados- que pode ser Teofilo Gutierrez (segundo o jornal português A Bola), André (a partir de junho, pois já teria pré- contrato assinado) para o comando do ataque e o argentino Blanco e até Giovanni Augusto (do Galo) para as meias. Dará tempo do famoso “encaixe''?

2- Campeonato Carioca: em minha opinião, pelo menos no papel, há um abismo técnico da dupla Fla- Flu (que contrataram bastante) para Vasco e Botafogo, um descendo para a Série B do Brasileiro e o outro vindo de lá, quando em lutros tempos o equilíbrio era quase total. Pela lógica, Flamengo ou Fluminense, um dos dois deve beliscar o caneco, parecendo-me pender um pouco mais para o Fla o sucesso no torneio.

3- Campeonato Mineiro: aqui, o amigo pode fazer aquela brincadeira de escolher “minha mãe mando bater nesse daqui''. Quer dizer:  Atlético Mineiro ou Cruzeiro. Ou surgirá uma zebra no meio do caminho?

4- Camperonato Gaúcho: a mesma coisa do Mineiro, mudando apenas os nomes- Inter ou Grêmio, como reza a tradição, relembrando aquele detalhe: o Grêmio estará preocupado com a Libertadores, o Inter está fora disso.


E o Flamengo tirou do Corinthians o gostinho do décimo título da Copinha
Comentários 22

Roberto Avallone

Foto: Marcos Ribolli

Foto: Marcos Ribolli

Tudo parecia indicar que o Corinthians iria comemorar o seu décimo título da Copinha: 30 mil pessoas no Pacaembu, o olhar atento do técnico Tite da tribuna, os números de uma bela campanha e dois gols marcados no primeiro tempo-um de Gabriel Vasconcelos, outro de Matheus Pereira.

Faltava mais alguma coisa, com 2 a 0 no placar e todo o cenário favorável? Mas eis que, de repente, o Fla transformou-se em Furacão: depois de ter gol mal anulado de Lucas Paquetá, fez o primeiro gol comTrindade (de cabeça) e empatou a partida com Matheus Savio. Tudo em sete minutos.

E assim foi o duelo até o fim, até o momento na decisão por pênaltis. E deu Flamengo, 4 a 3 nas cobranças, invertendo o entusiasmo das torcidas, ficando em festa o tobogã ocupado pelos flamenguistas, meio que em silêncio todas as outras localidades do estádio lotadas pelos fiéis corintianos.

Se o Corinthians deixou escapar seu décimo título na Copinha, o Flamengo ganhou o seu terceiro, distante, ainda, do maior vencedor. E quais foram os destaques dos times, os que têm a chance de promoção imediata? Bem, pelo lado corintiano, principalmente Maykon, que já está nos planos de Tite e deve subir para o time principal, embora existam outros valores, talvez ainda não prontos, como, por exemplo, o zagueiro DeL'Amore e o meia Claudinho- este, ex- Santos. dono de dribles rápidos e chute fote.

Foto: Marcos Ribolli

Foto: Marcos Ribolli

Pelo Flamengo, gostei do meia Lucas Paquetá, do volante Trindade, do goleiro Thiago e até do centroavante Felipe Vizeu- embora este não tenha aparecido muito no jogo, mais pela campanha e por seus 7 gols ao longo da competição.

Foi que vi de principal.


Palmeiras: assim, nem São Prass pode dar jeito
Comentários 25

Roberto Avallone

Foto: Cesar Greco/ Divulgação

Foto: Cesar Greco/ Divulgação

Fernando Prass voltou a ser São Prass: na decisão por pênaltis frente ao Nacional, defendeu dois chutes, fez o seu gol, mas seu repertório de milagres não chegava ao ponto de impedir que Dudu (mais uma vez), Allione (cobrança horrível) e Gabreiel Jesus desperdiçassem as suas cobranças.

Resultado: depois de um empate de 0 a 0 no tempo normal, o Nacional superou o Palmeiras na decisão por pênaltis (4 a 3) e foi o campeão do torneio de Montevidéu, ficando o Palmeiras como vice. Como consolo, o fato de o Palkmeiras não ter levado nenhum gol no tempo normal dos dois jogos, a vitória contra o Liberrtad e o empate com o Nacional.

No entanto, é muito pouco para um time com o elenco que o Palmeiras tem. Claro que não se pode exigir muito no começo da temporada, mas não vi a equipe de Marcelo Oliveira encaixar suas peças, mais parecendo um bando de jogadores sem saber para que lugar deveriam ir do meio-campo para a frente. No segundo tempo, o time melhorou com a entrada de Gabriel Jesus (que entrou no lugar do limitado Alecsandro), que fez boas jogadas pela esquerda. Bom também o trabalho de Moisés, embora um pouco afobado ao arremater de qualquer distância. E Dudu, este ainda no primeiro tempo, perdeu o gol mais feito do jogo ao chutar em cima do goleiro, quando ficou cara a cara com Mejia.

O Nacional, que será adversário do Palmeiras na Libertadores, é time razoável, sem grande poder de fogo, mas dotado de muita raça, o que é típico nas equipes uruguaias. Normalmente, pela lógica, não deverá assustar os brasileiros.

Mas não pode ser, na  ocasião, o Palmeiras do sábado à noite, em Montevidéu: ah, este deixou a desejar, ficou devendo…


Corinthians e Flamengo, que grande final da Copinha!
Comentários 3

Roberto Avallone

Foto: Mauro Horita

Foto: Mauro Horita

Como se fosse um duelo da tradição popular nos pés de garotos, Corinthians e Flamengo decidirão o título da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Ou, simplificando, da Copinha. E com toda a justiça, pois o Corinthians fez campanha brilhante e o Flamengo também teve grandes lampejos como, por exemplo, quando eliminou o forte time do São Paulo de competição.

Nesta sexta-feira, ambos tiveram façanha parecidas. Venceram de virada. Antes, o Corinthians, diante de 27 mil pessoas em seu estádio, saiu perdendo do Cruzeiro (gol de Ricky Sena) e no segundo tempo encurralou o adversário, com duas bolas na trave e os dois gols da virada, Claudinhoe Pedrinho, sendo que o de Claudinho foi espetacular, pois encobriu o goleiro com toque de craque. E de classe. Corinthians, 2 a 1.

Foto: Agência Estado

Foto: Agência Estado

O Flamengo tambem saiu perdendo para o América Mineiro, mas como o Corinthias igualmente soube virar, vencendo por 2 a 1. Destaque para o gol de Lucas Paquetá, menino habilidoso, canhoto, do chute certeiro.

E quais foram dos destaques das equipe, nesta sexta-feira e ao longo da Copinha? Bem, pelo que vi, este Claudinho (que estava no banco de reservas), ex- Santos, é menino habilidoso e que pode sonhar com um bom futuro; segundo o técnico Tite, que já provou saber das coisas, quem está pronto é o volante Maikon, tanto que já avisou que vai promovê-lo ao time de cima, razão pela qual concordou com a troca de Marciel por Willians, do Cruzeiro. Willians é primeiro volante, Marciel joga na posição de Maikon.

No Flamengo, Paquetá é habilidoso, é verdade, mas o grande destaque é o centroavante, Felipe Liseu, hábil e artilheiro, autor de 7 gols até agora nesta Copinha.

Enfim, Corinthians e Flamengo têm tudo para fazerem um jogão!