Blog do Avallone

Dudu, o craque do Brasileiro, fica ou vai embora logo?

Roberto Avallone

1- Ao final do jogo e após a festa, Dudu- que deve ser eleito o craque do Campeonato Brasileiro- me pareceu claro e sincero: ''No momento, não tenho proposta. Mas se aparecer alguma coisa,podemos sentar e conversar''.

Creio que a situação é exatamente esta. Pela bola que jogou neste Campeonato, especialmente depois que Felipão passou a dirigir o Palmeiras, Dudu poderia sonhar com vôos mais altos, passando por Seleção Brasileira e chegando a  algum clube grande da Europa. Por que não um Chelsea ou um Liverpool, da Inglaterra?Mas não sei se, aos 26 anos, seu nome seria lembrado por lá.

Mais fácil, creio, seria o futebol chinês, para onde Dudu quase foi no meio deste 2018. Apressado, um conselheiro do Palmeiras disse a um amigo'' que  acho que está tudo certo. O Dudu vai embora''. Mas isso, apenas na base do achar,sem nenhuma informação oficial concreta, tanto que o Palmeiras tem lá as sias esperanças de que nada de muito atraente chegue agora e o craque do time possa continuar por mais um tempo, quem sabe até longo.

Na minha opinião e por mero palpite- depois de ouvir certas pessoas-, é mais fácil que tal proposta chegue no meio do ano e que, por mais esforço financeiro que o Palmeiras faça, será difícil segurar Dudu.Deve tratar-se de muita grana, como foi no meio deste ano, mas que ainda deu para contornar.Agora, são outros os tempos.Como resistir desta vez?

De qualquer maneira, ficando ou saindo para o Exterior, Dudu já mais do que justificou sua passagem pelo Palmeiras. Uma passagem gloriosa. Que inclui títulos nacionais( Copa do Brasil, duas vezes o Campeonato Brasileiro), até feitos como- o jogador que mais fez gols no Allianz Parque, o que mais partidas disputou na Arena, etc.

Ele mesmo disse, após o triunfo sobre o Vitória: ''Estou feliz no Palmeiras, tenho contrato. Mas se tiver de ir embora, saio sabendo que fiz um bom trabalho aqui''

Sem dúvida, até aprimorou o seu futebol: passou a driblar mais e melhor, a chutar e centrar com mais eficiência e parou com a mania de ser ponta-esquerda; pode cair pela esquerda, sim, mas sabendo que rende mais pelo meio e até pela direita.Nesse ponto, Felipão tem seus méritos.

O jogo contra o Vitória, mais de festa do que de competição, mostrou um Dudu sempre interessado: no primeiro gol, caiu pela esquerda, driblou e centrou na cabeça de Edu Dracena- como se tivesse jogado a bola com a mão; depois, lutou o tempo todo, acompanhou o segundo gol(Scarpa), viu o Vitória empatar( um dos gols, de pênalti, que na verdade foi falta fora da área de Antonio Carlos), 2 a 2, e vibrou com o gol da vitória, marcado por Bruno Henrique, no final. Palmeiras, 3 a 2.

O Palmeiras campeão brasileiro deve muito a Dudu, seu Craque- Guerreiro.