Blog do Avallone

Corinthians, o grande líder do Campeonato diferente

Roberto Avallone

Foto: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

O Corinthians bateu o São Paulo, por 3 a 2, no clássico apelidado de  ''Majestoso''. E ganhou com justiça uma partida cheia de alternativas, com muito esforço e suor, pois foi em campo a equipe com mais virtudes e menos defeitos do que o tricolor que sofreu com as falhas de seu sistema defensivo.

Bem encaixado, sob o comando seguro de seu técnico, Carille, vê surgir também as individualidades, nem todas elas reconhecidas há alguns meses: Jô- em grande forma-, Romero- útil no ataque e na defesa- Guilherme Arana, Gabriel, etc. Aliás, Romero, Gabriel e Jadson (este, reconhecido antes) foram os autores dos gols corintianos: pelo tricolor, marcaram Gilberto e Wellington Nem.

O Corinthians , neste começo de Campeonato Brasileiro, é um exemplo de jogar bem sem ter grandes estrelas. Não é regra. Mas tem acontecido por aqui. Ora, quem está no topo da tabela, logo abaixo do surpreendente Corinthians? Temos o  Grêmio, que vem jogando um belo futebol, com jogadores entrosados e com Luan de craque-devendo ser vice-líder nesta segunda-feira; em seguida, ainda vice surge o Coritiba, do futebol ''certinho'' e a Chapecoense, cujo time foi montado este ano, depois da tragédia da qual foi vítima no fim de 2016- a tragédia que comoveu e entristeceu todo mundo.

Nenhuma das equipes que estão no topo- e não sei como será ao longo do torneio- era apontada como favorita no começo do Campeonato. Falava-se dos elencos do Atlético Mineiro, do Flamengo e do Palmeiras-que ocupam preocupantes  posições até agora- ou do eficiente desempenho do Santos, que respirou aliviado com a vitória sobre o Atlético Paranaense, 2 a 0,  neste domingo.

E nenhum dos badalados está no topo.

O que sugere este começo? Ou o prenúncio de que poderemos ter um Leicester- o campeão- surpresa na Inglaterra, em 2016- ou, então, que o futebol brasileiro mudou radicalmente, dada a intensidade dos jogos e dos treinos, servindo-se melhor de alguns jogadores mais experientes e de uma boa quantidade de jovens, velozes e resistentes.

Pode ser. Como pode ser também que, passadas as rodadas, os exemplos da época provem o contrário. É coisa para se ver, pois o futebol sempre teve as suas surpresas, mas também já alternou suas mudanças.

Como será desta vez?