Blog do Avallone

Arquivo : dezembro 2016

O Mercado da Bola. E férias…
Comentários 9

Roberto Avallone

Reprodução: UOL

Reprodução: UOL

1- O Mercado da Bola, que agora vai ser intensificado, aguça a curiosidade do torcedor. E deverá ser o astros das férias. Por enquanto ainda tímido, começa a dar seus primeiros passos:

Guto ou Luxa no Corinthians? Com a saída de Oswaldo de Oliveira, dois nomes são apontados como seríssimos candidatos para novo treinador corintiano: Luxemburgo, de vitorioso currículo durante muito tempo, e Guto Ferreira, técnico admirado por seus métodos e que, dizem, elogiado até por Tite. Quem será o escolhido?

Há vários conselheiros que preferem Luxemburgo- até por seu passado dentro do clube- e , teoricamente, deveria ser até mais fácil acertar com ele, no momento não vinculado a nenhum clube. Só que Guto e tá tão forte quanto Luxemburgo, embora esteja no Bahia (deve ter multa rescisória, suponho), o que deixa incerto o desfecho dessa história.

O amigo arrisca um palpite?

2- Robinho, de volta ao Santos? Não é impossível, pois dizem que o jogador almoçou nesta quinta-feira com dirigentes santistas e que no Atlético Mineiro, onde foi muito bem, está a pesar para o bolso do Galo uma quantia alta, em função da saída de um patrocinador. Embora a torcida santista tenha vaiado quando o Santos venceu o Galo por 3 a 0, na Vila, a gente sabe como é, todo o amor voltaria assim que Robinho vestisse outra vez a camisa do Santos. E Robinho, convenhamos, é a cara do Santos.

3- O Palmeiras vai às compras? Agora, já empossado, o novo presidente palmeirense, Mauricio Galiotte deve intensificar a busca por reforços, ao lado de Alexandre Mattos. Para começar, o novo técnico, que deve ser Eduardo Baptista (havia quem apostasse em Jorginho, ex-Vasco), jovem de qualidades. Mas uma aposta. Eduardo à parte, fossem quem fosse o novo técnico, Cuca foi uma perda considerável. Fez um grande trabalho.

Quanto aos jogadores, além dos três já acertados- Raphael Veiga, Keno e Hyoran- a expectativa´de que se inicie a caça a nomes de peso como os de Lucas Pratto ou Miguel Borja para o lugar de Gabriel Jesus; e o do sonhado meia, que pode ser Gustavo Scarpa (do Flu), Guerra (do Nacional de Medellin) ou de Oscar Romero (do argentino Racing).

As negociações estão sob sigilo, é possível que existam mais nome, em outras posições, não estando descartas trocas ou eventuais saídas de jogadores do elenco. Mistério.

4- FÉRIAS: este blogueiro dará folga aos amigos internautas, interrompendo o batucar das teclas  como manda o ritual do fim do ano.  A todos, sinceramente,  grande Natal e magnifico Ano Novo. E obrigado pela companhia.


Grêmio, a vitória da marcação e da leveza
Comentários 5

Roberto Avallone

Foto: Itamar Aguiar

Foto: Itamar Aguiar

O Grêmio é o campeão da Copa do Brasil ao empatar com o Atlético Mineiro, 1 a 1 (gols de Bolaños e Cazares), em Porto Alegre. Mas, no placar agregado venceu por 4 a 2 (o primeiro jogo tinha sido 3 a 1 para o Grêmio), tornando-se o vencedor indiscutível, pois, comandando por Renato Gaúcho, exibiu muita competência diante do badalado elenco do Galo: foi mais do que firme na marcação- Geromel, como se estivesse iluminado-, compacto no meio-campo e arisco no ataque, com os hábeis Luan e Éverton.

Éverton, por sinal, nem deixou saudades do herói do primeiro jogo, Pedro Rocha, pois infernizou a defesa atleticana e foi o autor da jogada que deu no gol de Cazares, praticamente liquidando a partida. Pela postura da equipe, para mim a grande surpresa foi Renato Gaúcho, técnico vencedor, sim, mas que vive um momento de fina sintonia com o futebol moderno.

O Galo, que tem boas individualidades, não mostrou o mesmo e eficiente estilo gremista, deixando muitos espaços entre a defesa, o meio-campo e o ataque, repetindo a falta de “compactação” observada na partida de Belo Horizonte. Se valer  como consolo que belo gol fez Cazares no empate atleticano! Um pouco antes do meio do campo, teve o sucesso que Pelé tentou-, mas por pouco não conseguiu- na Copa de 1970, contra a Checoslováquia. Um arremate portentoso o de Pelé, que encantou o mundo, mas o do equatoriano Cazares , além de portentoso e imaginativo, atingiu as redes.

Épico!


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>