Blog do Avallone

Palmeiras: derrota justa. E lutar é preciso

Roberto Avallone

Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

A altitude de Cochabamba e o gramado irregular atrapalham. É verdade. Mas não ao ponto de o Palmeiras jogar tão mal, falho da defesa e na criatividade, para ser derrotado pelo  limitado Jorge Wilstermann, sem dar, sequer a impressão de que poderia virar o jogo- para a vitória ou para o empatezinho que já o faria avançar na Libertadores.

O Palmeiras ficou devendo- e muito- futebol. Agora terá de esperar pela última rodada, pelas decisões da Comenbol (pelos incidentes do jogo com o Peñarol, do qual foi vítima): esperar por pelo menos um empate contra o Tucumán, time superior ao Jorge Wilstermann, para sair classificado desta fase de grupos sem depender do que irá acontecer no jogo entre os bolivianos e o Peñarol.

Não era o que se esperava.

Quanto ao jogo em si, foi um primeiro tempo até que parelho, com a diferença que os bolivianos fizeram dois gols e o Palmeiras apenas um (Guerra), este nos últimos momentos da etapa inicial. No segundo tempo, Borja entrou, mas isolado, à frente, pois o parceiro Willian foi substituído por ele. Não seria melhor os dois juntos, como contra o Peñarol?

Aí, Jean cometeu falha grotesca e Fernando Prass foi obrigado a cometer pênalti. 3 a 1. Ah, mas o Palmeiras reagiu. Sabe como, amigo? Em gol contra de Cabezas que, aliás, sem trocadilho, em uma cabeçada espetacular.

E nada mais se criou e nem se organizou. Com facilidade, o Jorge Wilstermann segurou a vantagem até o final. Sem ser incomodado.

O Palmeiras que lute até o fim. De preferência, jogando futebol.